As novas tecnologias estão por todo o lado e, através dos seus jogos, músicas e aplicações, conseguem chegar a todos e agradar miúdos e graúdos. Constituem uma forma de lazer, com diferentes conteúdos que se adaptam a diferentes gostos. O uso do computador, do tablet e do telemóvel fazem parte do nosso quotidiano e o interesse pelos mesmos começa cada vez mais cedo. É importanteque este interesse e utilização não sejam excessivos, quer em ambiente familiar, quer no escolar, e que estas tecnologias não se tornem quase obrigatórias e necessárias para uma criança ocupar o seu tempo livre. A palavra de ordem deverá ser, como em quase tudo, a moderação.

Os pais são os grandes modelos desde muito cedo e, por esse motivo, se o seu filho o vir constantemente com o seu telemóvel ou tablet, facilmente quererá fazer o mesmo. Procure deixar de lado esses aparelhos sempre que passa tempo com o seu filho e procure servir de modelo para outro tipo de atividades, como por exemplo a leitura ou a pintura. Incentive a brincadeira livre e a exploração de novos saberes e atividades e a prática de atividade física e, se a realizar no contexto lúdico com o seu filho, tanto melhor.

Ao final do dia, procure envolver o seu filho nas atividades que necessita fazer, elogiando-o bastante quando o faz e pelo interesse que vá manifestando. Dependendo da idade, incentive-o a pôr a mesa, a ajudar a fazer a salada ou a pôr a comida ao cão. Se o seu filho tiver interesse, ensine-o a cozinhar ou peça-lhe para ir lendo uma receita enquanto cozinha. Procure acima de tudo encontrar coisas que o seu filho gosta e que fazem parte do quotidiano, procurando que seja uma atividade animada e que o seu filho esteja motivado. Se a atividade em que estiver envolvido for reforçadora para ele, menor será a probabilidade de procurar outras atividades e, consequentemente, o telemóvel ou o tablet. Neste sentido, procure também encontrar com e para o seu filho, atividades extra-curriculares que ele goste e que queira participar, como por exemplo um desporto de equipa.

As novas tecnologias poderão também ser uma forma de adquirir e aumentar competências importantes para o desenvolvimento do seu filho, nomeadamente as académicas. Há programas e aplicações que, por também serem altamente motivacionais para as crianças, poderão ajudar na aprendizagem e no treino de aquisições em diferentes áreas, nomeadamente nos casos de necessidades educativas especiais. Poderão assim ser usadas como promotoras ao nível da educação, mas intercaladas com outro tipo de atividades, como fichas, diferentes tipos de exercícios e brincadeiras faz de conta em que a criança é professora, entre outras atividades variadas.

Dado o elevado valor motivacional das novas tecnologias, estas também poderão ser usadas como consequência de um comportamento que quer manter e/ou aumentar. Se o seu filho fez todos os trabalhos de casa, se conseguiu obter 10 estrelas ao final da semana por ter mantido o quarto limpo ou se pediu para fazer xixi na sanita durante o treino de fraldas, poderá ter um período de tempo para jogar ao jogo que tanto gosta ou ouvir a sua música preferida. Utilize estes aparelhos a seu favor, dando a oportunidade ao seu filho para usufruir dos mesmos, mas em diferentes horários, condições e por tempo limitado.

Em suma, as tecnologias à nossa volta e que, inevitavelmente, o seu filho quererá usar, deverão ser utilizadas de forma moderada, não prejudicando o desenvolvimento do seu filho e não levando ao isolamento social. Cabe aos pais modelarem para uma utilização pontual e consciente das mesmas, promovendo sim o contacto social, a atividade física e as brincadeiras próprias e adequadas à faixa etária, que são fundamentais para o desenvolvimento de todos nós.

 

Sofia Moreira, MS, Pós Graduada em Análise Comportamental Aplicada

Psícóloga

Categories: Oficina de Sugestões

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *